Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

06/08/2004

DIÁRIO DE BORDO: Nacional-faixismo - uma pulsão arrebatadora.

Temos a maior frequência de acidentes e a mortalidade rodoviária mais alta da Europa. Seja a Órópa dos 15, seja a dos 25, seja a Europa gaullista, que ia do Atlântico aos Urais. Porquê? Velocidade? Nem por isso. O condutor português médio é tão inapto que só conduz a alta velocidade quando está com os copos. Ou para se vingar das humilhações que a patroa e a sogra lhe infligem à frente dos putos. Incompetência e desconcentração são causas possíveis.

Desconcentração, que aflige também os craques do futebol doméstico que não sabem jogar sem bola e se quedam a olhar distraidamente para ela quando lhes cai aos pés, vinda do além. Desconcentração que não poupa ninguém, do empregado de mesa, a quem temos que assobiar para nos trazer a conta, ao asno que conduz o chaço que à nossa frente vai na faixa da esquerda, quando devia ir na direita, que está vazia até onde a vista alcança. Asno que, por definição, é um nacional-faixista, neste caso de esquerda.

Nova Definição Impertinente:
Nacional-faixismo
Um movimento social-nacionalista. Um estado de espírito que emprenha o país, do Portugal profundo à socialite ranhosa da Caras, e que leva os portugueses a circular na faixa errada. Como movimento, existe na versão faixismo de esquerda - a mais agressiva, e na versão faixismo de centro. A versão faixismo de centro é, como no resto, provavelmente maioritária, abrangendo os que andam devagar mas têm vergonha de não andar depressa. A versão faixismo de direita é imobilista. É adoptada pelos indígenas que não circulam e encalham o chaço em 2ª fila enquanto vão fazer umas comprinhas, que duram um par de horas.

Sem comentários: