Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

30/04/2007

SERVIÇO PÚBLICO: cada um tem o que merece?

Depois dos governos anteriores terem gasto, entre 1996 e 2005, 1,5 milhões de euros para albergar peças do Berardo em Sintra, o governo socialista do engenheiro Sócrates cedeu-lhe o ano passado o centro de exposições do CCB por 10 anos, prometeu pagar meio milhão de euros em cada um desses 10 anos, para ajudar à festa da fundação, e obrigou-se a comprar a colecção no final, se o Sr. Berardo lha quiser vender.

Para não se pensar que só o governo português faz mecenato com o dinheiro dos sujeitos passivos, recorda-se que, se nós temos o Berardo, os espanhóis tiveram o Thyssen, Heinrich e têm a sua 5.ª consorte Tita, antiga miss Espanha. Em 1989, o governo de Felipe Gonzalez (sempre o polvo socialista), pagou as pesetas equivalentes a 350 milhões de dólares por metade da colecção Thyssen que albergou nesta esplêndida galeria.

Se dizem da colecção Thyssen que tem obras menores de artistas maiores e obras maiores de artistas menores, que haveremos de dizer da colecção Berardo?

Obra menor dum artista maior / Obra menor dum artista menor

Sem comentários: