Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

21/06/2015

CONDIÇÃO MASCULINA: A revolta do «sexo fraco»

O número de 30 de Maio da Economist, uma revista que por aqui se lê há várias décadas, foi dedicado ao «weaker sex» que, como se sabe, nos dias que correm, é o sexo masculino do género Homo, espécie H. sapiens e subespécie H. s. sapiens - sexo a que os patetas do PC agora chamam género fazendo Carolus Linnaeus rebolar-se de riso na tumba. E porquê fraco, o que que já foi forte? Há várias razões, sendo que talvez entre as mais importantes que então referi:
  1. Rapazes e raparigas aprendem de modo diferente; 
  2. Os sistemas de ensino actuais estão orientados para optimizar os processos femininos de aprendizagem; 
  3. Desde cedo faltam os «role models» masculinos na escola (é mais difícil encontrar um homem professor no ensino pré-escolar e nos primeiros anos do ensino básico do que um lince na serra da Malcata) e na família (cada vez mais pais, sobretudo nas classes baixas, estão ausentes).
Pois bem, o leitor da Economist Paul James, um representante do «sexo fraco», resolveu lavrar o seu protesto em carta indignada que transcrevo (apesar da minha pouca inclinação para indignações).


1 comentário:

JSP disse...

O óbvio ululante ( perdão pelo "cliché).