Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

10/11/2015

Lost in translation (255) - O PC ignorante pode ser do género Homo mas não da espécie H. Sapiens

A frase talvez mais frequentemente saída da boca ou do teclado de um activista/indignado politicamente correcto (PC) é «igualdade de género» (cerca de 160 mil resultados na pesquisa Google). Se o bando PC já é insuportável pelos equívocos do que defende, ainda mais insuportável se torna pelo ridículo e modo erróneo como descreve a sua doutrina e os seus objectivos.

Copiando mimeticamente o PC ianque, que usa a palavra inglesa «gender» em vez de «sex» quando se trata de promover a «igualdade», o PC luso-saloio usa a palavra «género» em vez de «sexo» para evitar usar a palavra proibida «sexo». Os saloios ignoram que «género» em português ou bem é a «propriedade que os substantivos têm de representar os sexos» ou bem é o termo de taxonomia usado na classificação de organismos para designar um conjunto de espécies.

Se a tropa do PC ianque quisesse usar o termo equivalente a «género» em português teria utilizado a palavra inglesa «genus» (do latim «genus», raça, família, origem, etc.) e não «gender». Ainda que a origem latina de «genus» e «gender» seja a mesma, o percurso foi diferente: genus (latim) -> gendre (francês antigo) -> gender (inglês).

1 comentário:

Anónimo disse...

Eu lamento que desde o 25 do a deixou de haver ensino. Tem havido experiências pedagógicas.
Agora, quem tem menos de 45 anos é um ignorante e nem disso tem noção.
A sua maior parte está em lugares de poleiro, fazendo decretos, portarias e porcarias.
Nem português sabem; à conta do malaca casteleiro que, como sabem, é industânico.
Outra tragédia: o dicionário mais famoso no brasil foi coligido por Houaiss, um libanês.
Tamos entregues aos bichos, v.g., as cavalgaduras.

Abraço