Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

15/06/2017

Ainda falta muito para a poligamia ser uma unidade familiar poliamorosa?

Unidade familiar poliamorosa
Sábado passado, em Medellín (outrora a capital da cocaína na América do Sul), três criaturas do outrora chamado sexo masculino, sobreviventes de um grupo de quatro (o quarto não viveu o suficiente para partilhar de tamanha felicidade), «consumaram o matrimónio através de um notário, que validou a união estabelecendo-os como uma unidade familiar poliamorosa» (Público), outrora chamada unión de maricones.

Não se percebe porque continua a ser estigmatizada a poligamia (e a poliandria). Afinal são unidades familiares poliamorosas.

1 comentário:

Anónimo disse...

Em Medellín também nasceu, há cerca de meio século, o movimento 'cristão' Teologia da Libertação.