Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

15/06/2017

CASE STUDY: Trumpologia (20) - Quem é que ele nos faz lembrar?

Mais trumpologia.

Segunda-feira, Donald Trump fez uma espécie de edição especial de The Apprentice numa reunião do governo, convocando os mídia para assistir ao show onde exaltou as suas realizações e se comparou a Roosevelt com esta tirada magnífica de bazófia:
«Never has there been a president, with few exceptions — case of FDR, he had a major depression to handle — who has passed more legislation and who has done more things than what we’ve done.» 
Alguns secretários de Estado produziram homéricas lambidelas no ego do Donaldo, como o secretário da saúde Tom Price que disse sem se rir «"what an incredible honor it is” to lead his department “at this pivotal time under your leadership.”»

Trump está longe de ser o único egomaníaco de serviço nas presidências, embora seja provavelmente o mais descarado. Até nós, habitualmente deprimidos, tristes e lamurientos, atravessamos um período de euforia (que acabará na depressão, como a história mostra), estimulados pelo inquilino de Belém. Inquilino com certos aspectos comparáveis, com as diferenças inevitáveis que vão entre um presidente dos Estados Unidos e um presidente de Portugal - aos olhos do outro uma espécie de mayor de uma cidade do interior. Ora vejamos algumas equivalências:

2 comentários:

RioD'oiro disse...

https://www.youtube.com/watch?v=EqsY1TiR4Qk&t=0s

Anónimo disse...



"estimulados pelo inquilino de Belém"

Estímulos, em terras do Tio Sam, significa desregulamentação, libertação da economia da pestilente presença do estado.

Mais, significa baixar impostos e usar os que sobram em favor das infraestruturas.

E baixa-se os impostos poupando onde? Despedindo do estado quem apenas lá trabalha para atravancar a vida aos restantes. Como lá se diz, "get a real life".