Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

16/06/2017

O ruído do silêncio da gente honrada no PS é ensurdecedor (157) - A César o que é de César


Em comentário ao primeiro post sobre o amigo do Costa, nomeado para a administração da TAP, de quem Fernando Pinto, CEO da TAP há uma eternidade, desde os tempos do estradista Jorge Coelho, diz que «conhece a TAP talvez mais do que eu» (para quem duvida que conheça melhor, recordem-se os tempos de Lacerda na Gebalis que levou a TAP para o Brasil onde perdeu centenas de milhões), um leitor pergunta «E a sobrinha do César?».

Tem o leitor razão, mas não tem toda a razão. A sobrinha é apenas uma das pessoas da parentela de César a quem ele arranjou tenças públicas, como aqui recorda João Miguel Tavares: «Quase todos os familiares directos do líder parlamentar do PS estão em cargos de nomeação ou eleição política. A mulher. O filho. A nora. O irmão. E, agora, a sobrinha, contratada pela Gebalis (empresa municipal de Lisboa) depois de sair da Junta de Freguesia de Alcântara (do PS, claro).»

Esclarecimento a este comentário de um outro leitor sobre «uma interpretação "sui generis" daquilo do "a césar o que é de césar"»:
Os funcionários públicos são empregados do Estado Sucial que dispõe dos empregos. A esquerda em geral e o PS em particular são os donos do Estado Sucial; César é o presidente do PS ergo César é um dos donos do Estado Sucial ergo isso dá a César o direito de dispor do que é de César, em particular dar empregos à família de César. Quod erat demonstrandum.

1 comentário:

Unknown disse...

Uma interpretação "sui generis" daquilo do "a césar o que é de césar"...