Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

08/06/2017

O ruído do silêncio da gente honrada no PS é ensurdecedor (153) - A aldrabice na Praça do Município, como em S. Bento

«Comissão sobre obras na Segunda Circular começou e acabou em vinte minutos. A maioria socialista bloqueou a audição de técnicos e o PSD saiu da sala em protesto. Fernando Medina despachou a questão em poucas linhas.( ...) E assim se concluiu a comissão de inquérito às obras de requalificação da Segunda Circular.» Foram as palavras insuspeitas do Público, um dos diários oficiais da geringonça.

«Todos os dirigentes intermédios da Câmara Municipal de Lisboa — são 135 — estão em funções há anos sem que alguma vez tenha sido aberto um concurso para os lugares que ocupam, como manda a lei. O problema arrasta-se desde a gestão camarária de António Costa e Fernando Medina não o resolveu.» (Observador)

Coloquemos os 135 dirigentes em funções sem concurso no contexto de Parkinson na câmara de Lisboa e consideremos que quando Costa tomou posse já andavam pela câmara uns dez mil apparatchiks, hoje, passados 9 anos, com o herdeiro Medina, a capacidade de manutenção de tenças mantém-se (ver quadro seguinte extraído do Mapa de Pessoal 2016). É uma tença por cada 55 residentes - o dobro de Madrid ou Barcelona.

Sem comentários: