Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

14/07/2017

¿Por qué no te callas? (20) - Vendendo a banha de cobra em S. Bento

«Partilho consigo os receios sobre a evolução da PT. Porque receio bastante que a forma irresponsável como foi feita aquela privatização, possamos vir a ter um novo caso Cimpor e um novo desmembramento que ponha em causa não só os postos de trabalho como o futuro da empresa

Disse Costa respondendo ao deputado comunista João Oliveira durante o debate do Estado na Nação. Tão ansiosamente se dispôs a engraxar o PCP que se esqueceu do que Henrique Monteiro lhe veio lembrar no Expresso Diário:

«A PT foi privatizada, na maioria do seu capital, em 1997, há 20 anos, era primeiro-ministro António Guterres, no XIII Governo Constitucional, quando o atual primeiro-ministro era secretário de Estado e depois ministro dos Assuntos Parlamentares. Caso Costa se referisse à perda da 'Golden Share' do Estado, tal deu-se formalmente, em Assembleia Geral da PT, em 2011, ainda o Governo de Passos Coelho não tinha um mês, porque a decisão estava tomada e imposta por Bruxelas desde o tempo do Governo de Sócrates. Por isso, só resta uma hipótese: O Dr. Costa estava a referir-se à saída de Zeinal Bava e de Henrique Granadeiro da PT, depois do desmoronamento do BES, da Ongoing e de Berardo ... Esta foi a razão por que a holding da PT teve de vender uma empresa (só a PT Portugal) onde dezenas de prateleiras políticas de todos os partidos estavam ao serviço de quem detinha o poder. Algo que corresponde a um lapso notável, para uma empresa que é privada há 20 anos, mas que clarifica o papel que a PT teve para os Governos de Sócrates - um papel muito amigo, de grande cumplicidade, envolvendo, claro, o BES. Acresce, que para desespero da tese de António Costa, a PT era da Oi, uma empresa brasileira que não vai lá muito bem. Digo desespero, porque ele comparou a situação à CIMPOR, comprada e essa sim desmantelada pelos brasileiros da Camargo Corrêa

1 comentário:

Unknown disse...

Mas...existe ou não existe Oposição?
E, se existe, por que não desmonta, como fez o jornalista, as patranhas do costa?
Mas desmontá-las em directo, aos berros,no albergue de S.Bento, com as tvs a transmitir - talvez assim (um céptico talvez ) o esclarecido e eticamente exigente gado eleitoral abrisse o olhito sonolento...