Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

06/08/2017

Mitos (259) - Diferenças salariais entre homens e mulheres

Economist
Uma boa parte das causas abraçadas pela esquerdalhada é fundada em «factos alternativos» - uma bela formulação inventada por Kellyanne Conway, a secretary press de Donald Trump, ele próprio um dos mais dotados criadores de «factos alternativos» que rivaliza com o melhor que a esquerdalhada nos vem oferecendo. O pay gap atribuído à discriminação de sexos (que os imbecis chamam de género) é mais um desses factos que não resiste a uns quantos kilobytes de informação e a uns minutos de reflexão.

De facto (não alternativo), como o diagrama mostra, confirmando a observação empírica ao alcance de qualquer mente com um módico de sinapses em bom estado, a desigualdade nos salários é quase irrelevante, a não ser que abandonemos o princípio tão caro à esquerdalhada de «a trabalho igual salário igual». O que é desigual é o acesso a certas profissões ou funções, consequência de mais de uma centena de milhar de anos de divisão do trabalho por sexos. Divisão de trabalho que a evolução tecnológica está a tornar cada vez mais obsoleta e que acabará por desaparecer, mesmo sem a engenharia social baseada em ejaculações legislativas. Aliás, suspeito que essa engenharia social em duas ou três gerações terá de trocar a discriminação positiva das mulheres pela discriminação positiva dos homens que precisarão dela para compensar a confusão nas suas mentes resultante do conflito entre as suas hormonas e os comportamentos feminizantes induzidos e de uma escola cada vez mais formatada para ensinar o sexo feminino.

1 comentário:

Anónimo disse...

Estas diferenças ainda não tem em conta, horas trabalhadas (off record), pois todos sabemos que: (isto sem misoginia)
-> As mulheres não abdicam de passar tempo com os filhos. (isto é biológico)
-> Os pais para maximizarem o bem estar dos filhos, sacrificam muitas vezes trabalhar fora de horas, em detrimento de passar com os filhos. (isto é biológico) e manifesta-se desde tempos em que éramos caçadores recolectores.


Em minha casa tenho que ouvir da minha mulher que o que eu ganho a mais (em valor absoluto) diluído pelo trabalho que faço fora de horas e em casa. Ganho menos que ela...